Fazer uma escolha adequada dos alimentos pode ajudar-nos a desfrutar de um maior conforto digestivo, evitando inchaço abdominal, digestões difíceis, acidez e outros inconvenientes. Para cuidar da nossa saúde digestiva é conveniente reduzir o consumo de alguns alimentos ou observar como evolui o nosso processo digestivo ao reduzir o seu consumo total ou parcialmente. Alguns alimentos que podem estar na mira do bem-estar digestivo são os seguintes:

Leite e derivados.
É relativamente frequente um certo grau de intolerância ao leite e seus derivados e é uma das causas do mal-estar digestivo manifestado sob a forma de gases, inchaço abdominal, náuseas e, em alguns casos, um alto grau de intolerância, diarreias.

O álcool.
O seu abuso afecta o fígado, impedindo a correcta realização das suas funções. Além disso, é responsável pelas más digestões uma vez que aumenta a acidez estomacal, provocando uma dilatação ao nível do esfíncter que separa esófago e estômago, o que facilita que os sucos gástricos passem para o primeiro, e provoquem uma sensação de ardor no peito, denominada azia, que inclusivamente pode ser responsável por afonia ou mau sabor na boca.

Bechamel e produtos elaborados com mistura de farinhas, manteiga e leite, como croquetes, recheios ou bases de confeitaria e pastelaria. A manteiga, ao ser cozinhada, torna-se muito indigesta, algo que ocorre em muitas das receitas de uso e consumo demasiado frequente em muitos lugares. Esta matéria gorda não é boa para cozinhar, dado que acima dos 90ºC a manteiga queima-se e forma acroleína, uma substância que se associa à irritação da mucosa gástrica.

Malaguetas
O picante, seja tabasco, pimentos ou malaguetas,  se for consumido em excesso pode irritar as mucosas do sistema digestivo.

O abuso da carne e outros alimentos de origem animal. Ainda que os alimentos de origem animal sejam uma fonte de proteínas de alta qualidade, normalmente também contêm uma quantidade de gorduras saturadas que convém manter controladas. Estes alimentos podem, em muitas ocasiões, provocar sintomas dispépticos, como distensão abdominal, dores abdominais e, em alguns casos, ardores, sobretudo se têm um alto conteúdo gordo.

Conservas de peixe azul em azeite, tipo sardinhas, anchovas ou cavala. São alimentos de natureza gorda, além de ricos em histamina, e estão conservados num líquido gordo, pelo que a sua digestão é mais exigente. Convém ter este tipo de alimento em conta em caso de estômagos delicados, gases ou inchaço abdominal. Não nos esquecemos que é sempre conveniente consumir os alimentos que tenham um baixo conteúdo de sal.

Alimentos fritos em óleos reaquecidos, velhos, estragados ou de má qualidade. Nestes casos são geradas potentes substâncias irritantes da mucosa gástrica, como a acroleína.

Sumos cítricos em jejum. Em algumas pessoas podem provocar incómodos mais ou menos intensos como náuseas ou peso abdominal e, inclusivamente, dor. Também são muito frequentes os ardores com o seu consumo.